Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

TRT reduz indenizações morais e estéticas em caso de dano físico reversível

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
Desembargador Francisco Meton Marques de Lima
Desembargador Francisco Meton Marques de Lima

A 1ª Turma de Julgamento do TRT/PI reformou parcialmente sentença da 1ª Vara do Trabalho de Teresina, em favor do recurso da empresa Consórcio Construtora CR Almeida Santa Bárbara. No acórdão, a empresa permaneceu condenada em pagar indenizações diversas ao seu funcionário que sofreu acidente de trabalho, mas teve o valor referente a danos morais e estéticos reduzido de R$ 50 mil para R$ 25 mil, devido à reversibilidade do dano físico sofrido.

 


Dados do processo revelam que o funcionário foi acometido, durante o trabalho, de lesão de 20 cm na coxa esquerda, causada por serra circular manual. De acordo com a perícia, a situação causou-lhe atrofia muscular com dor, impotência funcional do quadril esquerdo e fibrose - quadro que requer tratamento fisioterápico, mas tem previsão de cura. A condenação da empresa foi agravada perante a Justiça Trabalhista, porque demitiu o operário 3 meses depois que ele reassumiu suas funções. 

 


A condenação de 1º grau

Diante de tais fatos, o juízo de 1ª instância condenou a construtora em: salários relativos aos meses de estabilidade a que o empregado tinha direito, verbas rescisórias, e indenização por danos morais e estéticos - nas quantias respectivas de R$ 30 mil e 20 mil, além de indenização por danos materiais – que inclui custeio de consultas, tratamento e plano de saúde até a recuperação total do operário.

 


O recurso e as alegações da empresa

Inconformada, a empresa recorreu para o TRT, alegando: ter cumprido as medidas de segurança legais, ter quitado a indenização de estabilidade, inexistir dano moral, inexistir impacto social do dano estético, e inexistir provas nos autos de tratamento que justifique ter de pagar danos materiais. Requereu a exclusão de todas essas verbas e pleiteou ainda que, caso mantida a indenização por dano moral, que esta fosse reduzida para valor não superior a R$ 5 mil.

 


O acórdão e a decisão final

O relator do processo no TRT, desembargador Francisco Meton Marques de Lima, considerando a reversibilidade da lesão física (atestada por perito), votou pela redução dos valores relativos a danos morais de R$ 30 mil para R$ 15 mil, e danos estéticos de R$ 20 mil para R$ 10 mil, totalizando R$ 25 mil de redução. As demais condenações foram mantidas. O voto do relator foi seguido pela maioria dos desembargadores.

 


Processo PJE: 0001289-06-2015-5-22-0001

(Mônica Sousa Costa - Ascom / TRT Piauí)

Das decisões proferidas pela Justiça do Trabalho cabem os recursos enumerados no art. 893 da CLT.

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.

Permitida a reprodução mediante citação da fonte.

Assessoria de Comunicação Social.

Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região - TRT/PI.

Telefone: (86) 2106-9520

asscom@trt22.jus.br

visualizações
Logomarca TRT18
Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região
Av. João XXIII, 1460, bairro dos Noivos
Teresina-PI, Cep: 64045-000
Atendimento ao público: (86) 2106-9500
CNPJ: 03.458.141/0001-40
Atendimento: 08:00h às 18:00h