Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Acidente no intervalo de almoço gera estabilidade e reintegração

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
Uma auxiliar de gestão da Servi-San que fraturou o braço ao cair quando se deslocava para almoçar ganhou o direito à estabilidade provisória de 12 meses e deve ser reintegrada aos quadros da empresa . A decisão é da Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região - Piauí (TRT/PI), confirmando a sentença da primeira instância.

A trabalhadora sofreu o acidente no dia 30 de abril de 2013 no trajeto para  almoçar no Restaurante Popular de Teresina ficando com "fratura da extremidade superior do rádio", tendo sido necessário o afastamento do serviço por 30 dias, conforme atestado médico.

Logo após o fim da licença, mais precisamente no dia 4 de junho, a funcionária recebeu a notificação prévia de demissão sem justa causa, sendo demitida no dia 10 de julho de 2013.

A empresa havia recorrido da sentença da juíza da 1ª Vara de Teresina, Thânia Maria Bastos Lima Ferro, alegando que a trabalhadora não conseguiu provar o acidente de trabalho nem a estabilidade dele decorrente. Argumentou ainda que as lesões constatadas na perícia judicial não teriam ocorrido enquanto ela era empregada da empresa, apresentando o atestado demissional realizado no dia 11 de julho de 2013 como prova da aptidão da trabalhadora para a função que exerceu.

Ocorre que a trabalhadora apresentou uma nova radiografia, datada de 29 de agosto, pouco mais de um mês após a demissão, confirmando que ela "é portadora de fratura em cabeça do rádio direito que evoluiu com sequela". A perícia diz ainda que o trauma não a incapacita definitivamente para o trabalho, mas aponta nexo de causalidade entre a sequela existente (redução da capacidade laborativa para determinados movimentos do membro superior com o uso de força, flexão, extensão e rotação do braço direito, com utilização da articulação do cotovelo) e o acidente de trabalho.

Para o relator do processo, desembargador Fausto Lustosa Neto, as provas dos autos, juntamente com os depoimentos das testemunhas, comprovaram a ocorrência do acidente.

O desembargador ressaltou que, segundo a legislação previdenciária (art. 21 da Lei n. 8.213/90),  o acidente de trajeto ocorrido durante o período em que o empregado está legalmente à disposição do empregador  -incluindo os deslocamentos para o serviço e os períodos destinados a refeição ou descanso - equipara-se ao acidente de trabalho.

"Comprovados o incidente e a incapacidade temporária e parcial da trabalhadora, mantém-se o decisum que tornou nula a demissão e determinou a imediata reintegração da consignada aos quadros da empresa, com pagamento das parcelas trabalhistas vencidas e vincendas", finalizou.

O voto do relator foi acompanhamento por unanimidade pelos demais integrantes da Segunda Turma do TRT/PI.

A decisão determina que a empresa reintegre, imediatamente, a trabalhadora, na mesma função e lotação anterior ou, ainda, em função que possa ser compatível com a incapacidade parcial dela, com pagamento dos salários vencidos, desde a demissão, e os que estão por vencer, inclusive ticket-alimentação e vale-transporte, além da quitação dos valores decorrentes de férias e 13º salário do período de afastamento e, ainda, o recolhimento do FGTS de todo o período.

PROCESSO TRT/PI: 0002186-.2013.5.22.0001

(Robson Costa - ASCOM TRT/PI)

Das decisões proferidas pela Justiça do Trabalho cabem os recursos enumerados no art. 893 da CLT.

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.

Permitida a reprodução mediante citação da fonte.

Assessoria de Comunicação Social.

Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região - TRT/PI.

Telefone: (86) 2106-9520

asscom@trt22.jus.br

visualizações
Logomarca TRT18
Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região
Av. João XXIII, 1460, bairro dos Noivos
Teresina-PI, Cep: 64045-000
Atendimento ao público: (86) 2106-9500
CNPJ: 03.458.141/0001-40
Atendimento: 08:00h às 15:00h